27/12/2010

Quando o amo existe



Quem disse que o amor se reveste de paciência sem limites,doação renuncia acho que se enganou.
O amor não é manso; é agressivo; busca com força e desatino.
O amor não é paciente, não sabe esperar,corre atrás, laça, amordaça, quer dominar;
O amor não é só doação, da e cobra retorno, retribuição.
O amo não é renuncia, resignação; o amor é uma luta, o amor não tem preconceito de idade, cor, nível social, se ama em todas as idades; brancos, negros, amarelo, pobres,rico, miseráveis.
Em todos o amor tem a mesma força, o mesmo impulso, e usa a mesma regra de conquista e posse. O amor não é cego, vê muito bem, reconhece no outro o que é  feio no físico, mais aceita compreende, porem, repudia os defeitos da alma tais como a frieza do sentimento, o egoísmo fora dos limites. 
"As vezes tolera, mas em geral estes defeitos levam o amor a virar as suas costas e partir, sem nenhuma volta.
Quem ama não espera ser buscado, busca.
Quem ama não se dobra as conveniências sociais ou econômicas; se dispõe a tudo e a todos para se realizar. 
Quem ama não cala seu grito; fala expõe.
Quem ama não se engole dentro do próprio orgulho, mas também não suplica, não se humilha , porem luta tenta conquistar. Quem ama não esquece detalhes do outro: a voz, o som dos passos, as datas importantes,as horas passadas, o riso e as lágrimas que o outro tenha entregado nos momentos de felicidades ou de dor. 
Amar não é aceitar o outro com seus deslizes fraquezas e super valorizar as qualidades.
Amar é quer sempre outro perto.O amor não aceita distancias, a manhãs,, depois talvez. O amor quer agora, o tempo urgente, a realização não pode esperar.
Amar é querer unicidade com o outro todos os dias, toda a hora. Amar é participar sempre das alegrias dos fracassos, das dores, das derrotas.


Quem diz amar  e não busca, não compartilha apenas convive. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário